sexta-feira, 29 de abril de 2011

Webjet com passagens por R$ 9,99.

A Webjet lançou uma promoção agora a tarde com passagens de ida ou de volta por R$ 9,99. Esta é uma reação as promoções da Azul, Tam, Gol e Passaredo.

De Ribeirão Preto é possível encontrar passagens por R$ 9,99 para todos os destinos operados pela empresa na cidade com exceção para Salvador.

As passagens podem ser encontrados para vôos até o dia 21/06 e as compras devem ser feitas até a meia noite de domingo. É obrigatório a compra de ida e volta onde somente um dos trechos poderá ser encontrado por R$ 9,99.

De Ribeirão a Webjet voa diariamente e direto para Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Curitiba e Porto Alegre.

Passaredo com promoção para viagens entre 01/05 e 02/06.

A Passaredo está com uma promoção para todos os seus destinos. As compras devem ser realizadas até o dia a meia noite do próximo domingo e as tarifas promocionais estão disponíveis para viagens de ida e volta e com permanência mínima de 2 dias no destino. As tarifas em promoção são apenas para vôos diretos. 

Alguns trechos em promoção:

De Ribeirão para:

Rio Preto: R$ 69,00
Guarulhos: R$ 79,00
Belo Horizonte R$ 89,00
Goiânia R$: 99,00
Rio de Janeiro R$ 99,00
Brasília R$ 109,00
Porto Alegre R$ 119,00

quinta-feira, 28 de abril de 2011

ATR-72 Rosa da Azul entra em Operação!


No dia 27 de maio, o céu do Aeroporto de Ribeirão Preto ficou rosa, Rosa?, Como assim?, a Azul Linhas Aéreas iniciou hoje o primeiro vôo com passageiros do ATR-72-200 prefixo PR-AZV, o que tem de especial nisso? Pois bem, a aeronave foi pintada toda de rosa, diferente da pintura tradicional que é azul e branco foi nomeada de La Ville Rose que traduzido significa “A Cidade Rosa”, veio para fazer parte de uma parceria firmada entre a Azul e a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama – FEMAMA.

A Azul possui também um Embraer 195 Rosa de prefixo PR-AYO operando voos pelos Brasil.

O AZV operou todos os voos entre Ribeirão Preto a Campinas, nesta quarta-feira 27, esperamos rever ela novamente voando por aqui, o que não será difícil.

Confira as fotos...

Agradecimento aos parceiros do site Revista Aero-Latina
Fotos: Rui

Passaredo deixa de voar para Curitiba.


Mais uma baixa nos vôos do aeroporto Leite Lopes, desta vez quem está suspendendo suas operações é a Passaredo que deixa de operar a partir do dia 1º de maio seus vôos para Curitiba.

A Passaredo que operou a rota Ribeirão/Curitiba duas vezes por dia por mais de 3 anos está suspendendo suas operações nesta rota no próximo mês de maio. A suspensão total dos vôos na rota vem após redução no mês de abril para uma freqüência diária.

Os motivos da diminuição são desconhecidos mas provavelmente é resultado da forte concorrência e pelos preços oferecidos pela Webjet na rota que deve ter inviabilizado tais vôos para a empresa de Ribeirão Preto.

Vamos acreditar que o real motivo da suspensão tenha sido este e não um “acordo” como já existiu no passado entre TAM e GOL em Ribeirão Preto. O fato é que a Webjet deixou de operar para Guarulhos nesta semana, que até então é a principal rota da Passaredo na cidade e  e agora a Passaredo deixa de operar para Curitiba que é uma rota explorada pela Webjet.

Independentemente dos motivos da suspensão dos vôos para Curitiba torcemos para que Passaredo de alguma forma se adapte a uma nova malha de forma mais produtiva para a empresa, com o lançamento de novos mercados para Ribeirão e região. Do que adianta termos duas empresas operando uma rota se nenhuma consegue se sustentar. O importante é que a cidade não perca a ligação diária e direta para a capital do Paraná, vamos torcer para que a Webjet consolide-se nesta rota. 

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Após obras, aeroporto de Ribeirão já está saturado - Folha Ribeirão

No primeiro trimestre, circularam pelo terminal 288,6 mil passageiros


Esse número é 112% maior que o de 2010 e quase a metade do que se espera para todo este ano no Leite Lopes.


Reformado com cerca de R$ 6,5 milhões para receber 600 mil pessoas por ano, o terminal de passageiros do aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, está saturado em relação à demanda. E isso apenas sete meses após a entrega das obras.
A inauguração oficial ocorreu em setembro passado durante visita do então governador de SP, Alberto Goldman (PSDB), à cidade.
Números do próprio Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de SP), responsável pelo aeroporto, mostram que as melhorias não acompanharam o crescimento do número de usuários.
Somente no primeiro trimestre, circularam pelo terminal 288,6 mil passageiros, ou seja, quase a metade do que se espera para o ano todo.
Se continuar nesse ritmo, ao final de 2011 o aeroporto de Ribeirão Preto poderá ultrapassar a marca de 1,1 milhão de passageiros embarcados e desembarcados.
A quantidade de público dos três primeiros meses de 2011 é mais que o dobro (112,43%) do movimento no mesmo período de 2010, quando passaram pelo Leite Lopes 135,8 mil pessoas.
O aumento da demanda é muito maior que o observado em anos anteriores (veja quadro nesta página).
O governo do Estado diz que monitora o movimento e atribui o crescimento à chegada de novas companhias à cidade (leia texto ao lado).
No entanto, logo no mesmo ano em que foi inaugurada a reforma, a estimativa de público se mostrou defasada: o Leite Lopes fechou 2010 com movimentação de 677,7 mil passageiros.

"PODERIA SER MELHOR"
O médico de Uberlândia Marcelo de Freitas Mendonça, 29, passou pelo terminal ontem pela primeira vez e disse achar que a cidade precisa de algo melhor.
"Pelo porte de Ribeirão, achei que o aeroporto poderia ser melhor. Até gostei da estrutura física, mas falta investir nessa estrutura, equipar mais o espaço", afirmou.
Hoje o terminal ainda opera, por exemplo, sem o painel de voos, que está prometido.
O engenheiro Ulisses Ordones, 50, de Passos (MG) usa o Leite Lopes há cerca de oito anos. Para ele, o terminal está melhor em comparação com o antigo espaço, "que era terrível".
Ulisses afirmou, no entanto, que a esteira de bagagens é pequena e dificulta o acesso das pessoas às malas em horários de pico. "Se iam colocar a esteira, podiam ter feito algo maior", disse.


Daesp atribui alta à chegada de novas empresas

DE RIBEIRÃO PRETO 

O Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo) reconhece o aumento da demanda, mas afirma que novas ampliações só serão estudadas ao final de 2011.
Em nota, o órgão afirma que, após a reforma, o aeroporto Leite Lopes recebeu duas novas companhias -a Webjet e a Azul.
Isso gerou um "aumento considerável" no movimento, disse o Daesp. Segundo o departamento, em 2009 o aeroporto tinha 12 voos por dia, e agora tem uma média próxima a 50 voos diários.
"Será possível uma análise mais detalhada ao longo de 2011, quando os números permitirão que o Daesp avalie se serão necessárias adequações ao terminal", afirma a nota sobre novas ampliações no local.


Conclusão/Nota do Blog: Só o Governo de SP e o DAESP pra imaginar que o aeroporto ficaria do tamanho que era e sem receber novas empresas em um mercado nacional que não para de crescer... Pior do que isto é esperar o ano de 2011 para fazer algum estudo e só em 2012 ou 2013 pensar em fazer alguma coisa...
O mais engraçado e é que depois o pessoal da oposição ao governo federal, incluindo o ilustre governador criticam a incompetência da INFRAERO... O que o governo paulista fez com o DAESP? 
Nada alias fez pior investiu dinheiro público em uma obra obsoleta desde seu projeto prevendo uma capacidade que quando da sua inauguração já tinha sido superada... É uma vergonha este nosso Brasil metido a ser desenvolvido mas que ainda é e continuará sendo de terceiro mundo por muitos e muitos anos graças a gestão e competência de todas nossas autoridades.  
A imprensa de Ribeirão Preto pega muito leve com o DAESP e o Aeroporto de Ribeirão... A infra estrutura é péssima a segurança é precária se quiserem ferrar com a vida do DAESP é só "armar" algumas reportagens ao estilo das do Fantastico, Jornal da Globo no Leite Lopes que absurdos virão a tona... 
A Infraero recentemente comprou inúmeros equipamentos para equipar todos seus aeroportos com raio-x de bagagem despachadas e o DAESP? Nem os painéis de LCD e muito menos novos ônibus para o terminal conseguiu comprar ainda... 
Eu me pergunto todos os dias para onde será que vai o dinheiro da taxa de embarque em??? 

terça-feira, 26 de abril de 2011

Números da TAM em Ribeirão.


DATA: 24/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Passageiros: 120 / Ocupação: 83,3%


GP/JJ 4720 CGH: 22:27 / RAO: 23:20
Airbus 319 / Capacidade: 144
Passageiros: 126 / Ocupação 87,5%

DATA: 25/04
JJ 3270  CGH: 06:36 / RAO: 07:35
Airbus 320 / Capacidade: 174
Ocupação: 134/ 77,6%

DATA: 26/04
JJ 3270  CGH: 06:36 / RAO: 07:35
Airbus 320 / Capacidade: 174
Ocupação: 105/ 60,4%

A análise dos últimos vôos aqui postados mostram que há um grande mercado entre RAO e CGH é uma pena que só o grupo TAM opere esta rota. Seria muito bom uma concorrência com a GOL já que a tarifa para CGH é quase sempre bem salgada.  

Fonte: Contatoradar

Webjet deixa de operar rota de Ribeirão para Navegantes e Guarulhos

A partir de amanhã não será mais possível para o passageiro de Ribeirão ir para Guarulhos de Webjet e muito menos até o estado de Santa Catarina em vôo direto, já que a Webjet era a única empresa que operava esta rota.  

Os vôos da Webjet para Navegantes e Guarulhos foram suspensos sem nenhuma explicação desde ontem. Esta é mais uma baixa na malha da empresa que iniciou suas operações em Ribeirão em dezembro de 2010 com 11 partidas diárias . Com esta nova diminuição em seus vôos na cidade a empresa passa a oferecer 5 partidas diárias para Salvador, Brasília, Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro. 

Tentamos contato com a empresa por telefone e por e-mail mas nenhuma resposta foi encaminhada sobre esta suspensão. A previsão é que para agosto a empresa deixe de operar também a rota para Porto Alegre. No entanto segundo a tramitação de pedidos da ANAC a empresa continuará com 5 vôos em Ribeirão sendo que 2 para o Rio de Janeiro um para Santos Dumont e outro para o Galeão além dos demais acima citados.

Os vôos para Navegantes e Guarulhos ainda constam como autorizados pela ANAC mas não estão mais disponíveis no sistema de vendas da Webjet. Com esta baixa quem perde é o usuário que não dispões mais da ligação diária e direta para Navegantes e que durante o verão 2010/2011 obteve excelente indicie de ocupação. Já a rota de Guarulhos ainda é bem servida pela concorrência em Ribeirão com 7 vôos diários da Tam e Passsaredo. No entanto o ponto negativo para o usuário é que com a saída da Webjet da rota de Guarulhos a Passaredo já reajustou todas suas tarifas.


.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Tam com pintura especial para divulgação do filme RIO.

A Tam está com uma aeronave Airbus 320 com adesivos para divulgação do filme Rio.

Para o pessoal de Ribeirão é bem improvável que esta aeronave visite o Leite Lopes, já que  a aeronave especialmente adesivada é uma das aeronaves A320 que dispõe de classe executiva e é destinada especialmente para os vôos na América do Sul e também pelo fato da mesma não poder operar em Congonhas devido as restrições de propaganda da lei cidade limpa da cidade de São Paulo.

A aeronave é a de matrícula PT-MZN




Fotos: Contato Radar.
Fotógrafo:

sábado, 23 de abril de 2011

Entenda o funcionamento e o controle do espaço aéreo brasileiro. - Jornal da Globo

A última reportagem da série "Aeroportos: última chamada" fala sobre o engarrafamento de aviões no céu. Saiba por que a precariedade na infraestrutura dos aeroportos prejudica o tráfego aéreo e conheça o que mudou no setor.
video

Aeroporto de Ribeirão fica fechado por mais de 2h no feriado - Jornal A Cidade.

Pane elétrica afetou sistema de iluminação da pista, segundo Daesp; não há informação sobre número de voos prejudicados

Uma pane elétrica no início da noite desta sexta-feira fechou o aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, por mais de duas para pousos e decolagens.

Faltou iluminação na pista das 18h às 20h25, segundo o Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo). O órgão não informou quantos voos foram prejudicados até o fechamento deste texto.

O responsável pelo aeroporto, Álvaro Cardoso Júnior, disse à EPTV que houve uma falha no funcionamento de um transformador, o que teria causado a queda de energia na pista. De acordo com Júnior, um eletricista foi acionado assim que o problema ocorreu.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Enquanto Ribeirão enrola Maringá no Paraná ganhará vôo semanal de empresa cargueira com Boeing 767.

Enquanto políticos, empresários, lideres comunitários, promotores idealistas e até padres/pastores palpiteiros brigam pela ampliação ou não da pista e também pela improvável e distante construção de um novo aeroporto em Ribeirão, a cidade de Maringá no estado vizinho do Paraná, que possui um aeroporto com as exatas mesmas dimensões do Leite Lopes, ganha vôo semanal de Miami e para o Uruguai com aeronave de carga Boeing 767.

A conclusão mais uma vez é uma só, a cidade de Ribeirão Preto vai sendo prejudicada por falta de uma atitude de pulso forte que resolva a situação. Construir um aeroporto no Brasil demora pelo menos 10 anos, sonhar que ele seria construído em menos de 3 anos é não conhecer a burocracia brasileira.

Ampliar a pista do Leite Lopes é fundamental para seu desenvolvimento atual, já que não podemos esperar pelo menos 10 anos de braços cursados vendo o desenvolvimento passar bem longe de nossa cidade e da nossa região. Talvez nem seja preciso ampliar a pista de imediato, mas isto seria o ideal já que em Maringá com 2.100 metros opera com total segurança o Boeing 767 que é capaz de transportar um bom volume de carga.

O que se deve buscar para ontem é sentar na “mesa” todo mundo e chegar a um consenso como já é defendido pelo Juiz da Fazenda Pública de Ribeirão Preto. O que a população de Ribeirão está cansada é de ser enrolada e ver investimentos indo para outras regiões do país por falta de estrutura na nossa cidade.

Pontos que precisam ser decididos.
1º Vamos construir um novo aeroporto em área não urbanizada, vai demorar de 7 a10 anos (Quem duvida disto bata assistir os vídeos da série do Jornal da Globo que está no blog);
2º Enquanto este "novo aeroporto" não fica pronto vamos ampliar a pista do Leite Lopes para 2.500 metros;
3º Neste mesmo período vamos dotar o terminal atual de estrutura para melhorar o conforto dos usuários;
4º Quando ficar pronto o novo aeroporto o atual servirá apenas para aviação executiva.

Será que é muito difícil fazer isto?
Acho que sim já que o Ministério Público se acha no direito de não rever nada, pois os membros da instituição em Ribeirão colocam o orgulho e o idealismo institucional acima de tudo...  O interesse primários de quem estes ilustres agentes políticos estão defendendo?
Ribeirão e Região com mais de 4 milhões de habitantes perde e perde muito com esta atitude infelizmente.

O posicionamento de muitos e o idealismo é lindo no papel, mas não leva a nada em país pobre, corrupto e miserável como o nosso. O melhor para todos e o ideal talvez é tirar o orgulho do peito e tentar uma solução amigável como a proposta pelo Juiz de Ribeirão.

A pergunta que fica quem paga esta conta?
Como sempre a população que perde investimentos, perde segurança e perde a oportunidade de ter investimentos na cidade.

 A nova rota em Maringá.
1x por semana da empresa AMERIJET na rota: Miami/Maringá/Montevideo/Miami

Aeronave UTILIZADA:
Boeing 767

O Aeroporto de Maringá
Pista do aeroporto com 2.100 metros, o mesmo tamanho da atual pista do Leite Lopes. 

Outras operações de carga em Maringá-PR

Já está passou da hora da população de Ribeirão cobrar dos seus líderes políticos respostas...

Conheça mais sobre o aeroporto de Maringá
http://aeroportodemaringa.blogspot.com/
http://airmgf.blogspot.com/
http://tmamaringa.blogspot.com/
http://torremaringa.blogspot.com/

Situação dos aeroportos abre debate sobre concessão ou privatização - Jornal da Globo

video

Especialistas em aviação divergem se a concessão ou a privatização são as melhores opções para os aeroportos brasileiros. Em Lima, capital do Peru, o melhor terminal da cidade é gerido por iniciativa privada e pode servir de exemplo para o Brasil.


quinta-feira, 21 de abril de 2011

Número dos vôos TAM/PANTANAL de ontem 20 de abril


DATA: 20/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 154*/ 100%

GP/JJ 4720 CGH: 22:27 / RAO: 23:20
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 132/ 92%    
* O número total de passageiros a bordo pode ser superior a capacidade quando há crianças de colo que viajam com os pais. 

Obras em aeroportos estratégicos estão em fase de projetos ou licitação - Jornal da Globo

A Infraero anunciou que vai investir R$ 5,23 bilhões em 13 aeroportos considerados estratégicos. Apenas três aeroportos ligados ao mundial têm obras em andamento atualmente. Veja como a África do Sul se preparou para o mundial de futebol. 

 

video
Faltam só 38 meses para a Copa de 2014. Para terminar o que precisa ser feito nos aeroportos brasileiros a Copa já acabou -- lição que, pelo jeito que andam as obras, não conseguimos aprender da África do Sul.
Daqui a três anos o Brasil vai estar no centro do mundo e das rotas internacionais que vão trazer turistas dos quatro cantos do planeta.
Teremos quase três milhões a mais de embarques e desembarques no país durante a Copa. Já imaginou como será a chegada de tanta gente nos nossos aeroportos? Nos horários de pico, hoje, pode chegar a 800 o número de aviões cruzando os céus do Brasil.
Não há estimativas oficiais, mas já se sabe que durante a Copa, além do aumento na aviação comercial regular, o país-sede também recebe um grande número de jatos executivos e aviões fretados.
“Com relação ao espaço aéreo eu lhe garanto que o Brasil está completamente bem preparado para receber esses tráfegos na Copa do Mundo”, fala o chefe do centro de operações Integradas do Recife, Ernane Roza de Castro.
A Infraero anunciou que vai investir R$ 5,23 bilhões em 13 aeroportos considerados estratégicos. A maioria das obras ainda está em fase de projeto ou licitação.
Guarulhos, em São Paulo - o aeroporto mais importante do país e com mais problemas - deve receber o maior volume de dinheiro.
O principal investimento promete tirar do papel uma obra discutida desde o fim dos anos 90. A construção do terminal três, que aumentaria a capacidade do aeroporto em sete milhões de passageiros por ano.
Mas até agora pouco mudou. Por enquanto só há algumas reformas na pista. Apenas outros três aeroportos ligados ao mundial têm obras em andamento hoje. Um deles, no Rio Grande do Norte, ainda nem existe.
Em Campinas, está sendo montada uma estrutura provisória para atender o aumento do número de passageiros.
No aeroporto internacional do Rio, a Infraero trabalha para concluir o terminal dois, que tinha uma parte sem uso há 12 anos por causa da pouca demanda. No mês passado, a maioria dos 20 operários que encontramos limpava paredes.
O ritmo de trabalho não é dos mais intensos. Segundo a Infraero, a obra entrou na fase de finalização. Os operários estão trabalhando na etapa de acabamento do prédio. E a previsão é de que esta segunda metade do terminal dois esteja pronta até agosto de 2012.
Dos investimentos previstos para a Copa, apenas 2,5% foram executados até agora. O cálculo é da Ong Contas Abertas.
Segundo um estudo do Ipea, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, dos 13 aeroportos com obras para a mundial, dez não ficarão prontos até 2014.
Quem conhece bem o setor vê outro grave problema: o que foi planejado não é suficiente.
“Eu diria que em termos de terminais de passageiros, áreas a serem construídas deveria ser de pelo menos o dobro”, afirma o professor da Coppe/UFRJ, Elton Fernandes.

“Já em 2014, 2016 muitas das ampliações físicas que estão sendo feitas agora já não vão dar conta”, explica o professor de transportes aéreos da UFRJ, Respício do Espírito Santo.
O que o Brasil deferia fazer? O que o último país sede da Copa pode nos ensinar? O repórter Renato Ribeiro foi até a África do Sul.
Diante do que a África do Sul fez, a realidade brasileira é preocupante. O Oliver Tambo é um aeroporto moderno, espaçoso e funcional. Porta de entrada do país e do continente africano.
A reforma no aeroporto de Joanesburgo demorou cinco anos. Começou em 2004. Exatamente um mês depois da escolha da África do Sul como sede da Copa. Houve tempo de sobra e a obra terminou em maio de 2009, um ano antes do mundial.
“Há um crescimento no número de passageiros. Precisávamos de uma obra desse porte mesmo que não houvesse Copa", explica a diretora de comunicação da empresa que administra o aeroporto.
E se pensou além da Copa. Hoje, o Oliver Tambo pode ter até 28 milhões de passageiros por ano. Mas recebe apenas 19 milhões.
Mas é nos detalhes que se vê a grandeza da obra. Os carrinhos são especiais. Andam na escada rolante, evitando filas em elevadores.
Há dois hotéis e 16 mil vagas de carros. São dois edifícios-garagem com painéis eletrônicos que indicam as vagas disponíveis já na estrada. Depois, na entrada, em cada andar, em cada fila.
Junto ao aeroporto, há algo que para nós brasileiros não existe: um trem. É possível entrar no vagão e ir para a cidade em 14 minutos. Em toda a África do Sul se gastou cerca de R$ 4 bilhões em oito aeroportos.
A cidade do Cabo, campeã de turismo no país, também ganhou um novo aeroporto e dobrou a capacidade, mas ficou pronto só um mês antes do mundial.
Apesar de todos os investimentos, a África do Sul enfrentou um problema grave: o tráfego aéreo, responsável por um dos maiores vexames durante a Copa.
Na semifinal, cinco mil torcedores com ingresso não viram a Espanha vencer a Alemanha. Não conseguiram pousar. O novo aeroporto de Durban não deu conta de receber inúmeros voos privados em jatinhos, carregando personalidades e dirigentes. E havia mais aviões no ar que o permitido. Entre erros e acertos, a Copa deixou para os sul-africanos aeroportos novos e que funcionam. Numa Copa, a primeira e a última impressão são as que ficam.
No Brasil, os especialistas só enxergam uma saída: correr contra o tempo. “Cada vez mais o brasileiro viaja, cada vez mais teremos turistas vindo pra cá puxados por esses mega eventos, então precisamos nos preparar muito mais do que na velocidade que nós estamos preparando”, diz Respício.

“Falta a gente gerar e definir o mais rápido possível qual o modelo para a participação de todos esses agentes no investimento e na retirada destes gargalos da infraestrutura dos aeroportos no Brasil”, fala o presidente da Tam. Marco Bologna.

Passaredo solicita novo vôo para Rondonópolis e Cuiabá.

A Passaredo pediu autorização para voar a partir de 13/06/2011 entre Ribeirão e Rondonópolis. Saso seja concedida a autorização pela ANAC a Passaredo passará a operar o vôo 2312 que parte de Guarulhos as 08:10 pousando as 08:55 em Ribeirão prosseguindo para Rondonópolis as 09:20 chegando neste aeroporto às 10:50, de Rondonópolis a aeronave parte as 11:10 chegando em Cuiabá as 11:40. Com esta nova ligação será o 3º vôo de Ribeirão para a Capital do Mato Grosso e o primeiro para uma cidade do interior deste mesmo estado.



Vôo 2312 – Domingo a 6ª  - Aeronave ERJ 145 – 50 lugares.
08:10 – Guarulhos
08:55 – Ribeirão Preto
09:20 – Ribeirão Preto
10:50 – Rondonópolis
11:10 – Cuiabá
11:40 – Cuiabá

Vamos aguardar a manifestação da ANAC porque a Passaredo e as outras empresas aéreas vem encontrando grande dificuldade em receber autorização de novos vôos devido a falta de estrutura de praticamente todos os aeroportos brasileiros. 

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Passaredo estaria deixando de voar entre Ribeirão e Curitiba?

Hoje durante uma pesquisa no site da Passaredo não foi possível encontrar disponibilidade de nenhum vôo entre Ribeirão e a capital do Paraná, a partir do dia 1o de maio. Será que a Passaredo não aguentou a concorrência da Webjet ou será que o site estava com algum problema? 
A dúvida fica porque a empresa acaba de receber a autorização da ANAC para iniciar na próxima segunda feira a 3a frequeência entre Ribeirão e Curitiba... 

Agora é aguardar e ver como vai ser o posicionamento da empresa. Ribeirão hoje é servido por 6 empresas que é excelente, mas será que esta concorrência é viável? Será que daqui alguns meses teremos todas estas empresas operando como hoje?  Vamos torcer para que a cidade não perca ligações diretas como existe hoje. 

Para o mês de maio a empresa também está cancelando uma das suas três  frequências diárias para Brasília.  



Webjet lança promoção para todos os trechos com preços a partir de R$ 49

A Webjet lançou uma promoção para compra de passagens durante o feriado de páscoa, com término às 6 horas de segunda-feira, dia 25. A ação é válida para todos os destinos oferecidos pela companhia para voos de 27 de abril a 21 de junho. O número de assentos por voo é limitado.
No site da Webjet é possível fazer a compra à vista, com cartão de débito, via boleto bancário, ou em qualquer cartão de crédito, em até seis vezes sem juros. Nas lojas dos aeroportos é possível ainda fazer um financiamento em até 12 vezes, com cheque, por meio do Banco Fibra.
Além disso, até o dia 24 de abril, é possível comprar suas passagens com pagamento em até 10 vezes sem juros utilizando o cartão Mastercard. A ação Super Páscoa é válida para parcelas mínimas de R$ 19,90.
Fonte:



Série mostra situação dos aeroportos nas cidades-sede da Copa do Mundo - Jornal da Globo.

Infraestrutura dos aeroportos não acompanha o crescimento do setor

Diferentes estudos sobre os aeroportos mostram que sem grandes investimentos, a infraestrutura está à beira de um colapso. Só no ano passado, foram 155 milhões de passageiros, um crescimento recorde de 21% em relação a 2009, segundo a Infraero.


video
Viajar de avião no Brasil não é mais símbolo de classe social, mas é um símbolo de como a falta de planejamento e investimento evitam que ainda mais gente possa voar.
A oferta de assentos nos aviões não consegue acompanhar o crescimento do mercado aéreo doméstico, e a causa principal é a precária infraestrutura aeroportuária.
O metrô da maior capital do país não vai até o aeroporto, mas o avião já chegou ao local. Estação da sé, centro de São Paulo. A fila em uma plataforma é para comprar passagens aéreas.
“Avião é igual celular. Antigamente era luxo hoje já é necessidade”, diz a vendedora de farmácia Maria Luiza de Carvalho.
Até a década de 70, embarcar nas primeiras linhas aéreas do país era praticamente um evento. Tempo de glamour e preços nas alturas. Aí vieram as mudanças na legislação tarifária, estabilidade da economia e aumento da concorrência.
A passagem aérea ficou quase 50% mais barata em cinco anos. Tão popular que estamos viajando mais de avião do que de ônibus. Só que a infraestrutura dos aeroportos não decolou com o resto do setor.
Só no ano passado, foram 155 milhões de passageiros, um crescimento recorde de 21% em relação a 2009, segundo a Infraero.
A empresa administra 67 aeroportos que respondem por 97% do tráfego aéreo regular do Brasil e afirma que investiu R$ 6,23 bilhões em dez anos.
A Ong Contas Abertas - que acompanha o uso do dinheiro público - diz que não foi bem assim. Em nenhum ano o valor previsto foi totalmente aplicado. Em 2008, por exemplo, apenas 17% foram realmente usados. Em 2010, 59%.
Diferentes estudos sobre os aeroportos do país chegaram ao mesmo resultado: sem grandes investimentos, a infraestrutura está à beira de um colapso.
“Os aeroportos hoje já passaram da sua capacidade em termos de pátio de aeronaves e terminal de passageiros”, afirma o professor Elton Fernandes.
Os estudos mostram em números o tamanho do desafio. Dos 20 maiores aeroportos do país, apenas três não deixam o passageiro no aperto. Catorze estão em situação crítica.
O que dá pra observar nas longas filas nos poucos balcões de check in, nos aparelhos de raios-X e nas cabines de controle de passaporte em voos internacionais.
“Hoje o maior gargalo das companhias aéreas brasileiras no Brasil é a questão dos terminais de passageiros. Poucos subdimensionados para o tamanho do mercado atual”, explica a vice-presidente de mercado da Gol, Cláudia Pagnano.
Há ainda outra parte do problema que o passageiro nem sempre percebe: metade dos principais terminais do país opera com algum tipo de restrição para pousos e decolagens porque os pátios dos aeroportos estão sempre cheios.
Dependendo do horário, o piloto é obrigado a esperar para encostar na ponte de embarque - o chamado finger. O que vai provocar atrasos e trocas de portões nas salas de embarque.
Dos 17 aeroportos que servirão às cidades-sedes da Copa, nove tem apenas uma pista de pouso e decolagem.
O que pode causar situações como a de um avião que pousa e é obrigado a manobrar na própria pista para chegar ao pátio de desembarque. Enquanto isso, outras aeronaves não podem decolar ou aterrissar.
Do lado de fora, também há problemas. Chegar ou sair dos terminais está cada vez mais difícil.
Enquanto nos dez maiores aeroportos do mundo o passageiro tem como opção o trem, no Brasil só nos resta ficar no trânsito.
“É uma coisa que não depende só da administração da infraestrutura, mas dessa falta de uma conivência entre estado município e o aeroporto. Porque todos se beneficiam com uma melhor acessibilidade”, diz o professor Elton Fernandes.
“Temos visto muito é que o administrador do aeroporto culpa as empresas aéreas, que culpa a Polícia Federal, que culpa a Anvisa, que culpa a Receita, todos tem que ser parceiros e isso é muito importante principalmente pelo que nós temos pela frente com relação aos eventos internacionais”, fala pó professor de transporte aéreo da UFRJ, Respício do Espírito Santo.
O diretor-geral da associação internacional das empresas aéreas, Giovanni Bisignani, resume assim a atual situação dos aeroportos brasileiros: “És una lástima”.
Para Giovanni Bisignani, o país que tem a 8º economia do mundo não deveria ter aeroportos que constrangem brasileiros e turistas.
“Nós precisamos acompanhar o crescimento da economia brasileira, o crescimento da distribuição de renda no Brasil, coisa que nós sempre estivemos sinalizando, sinalizando, e a infraestrutura não acompanhou”, diz Respício.
“Acho que o adicional de tráfego da Copa, vamos dizer, pode ser a gota d’ água, porque o copo está cheio. Poderia ser a Copa, qualquer coisa, o copo já está para transbordar”, avisa Elton.

Promoção Smiles tem passagens com apenas 1.000 milhas! - Melhores Destinos

A GOL começa hoje a promoção SUPER Milhas reduzidas, nela você pode voar em vários trechos dentro do Brasil com apenas 1.000 milhas! Essa sim é um MEGA PROMOÇÃO!
A promoção é válida para emissão de passagens entre 20/04 e 21/06/2011.
As viagens podem ser realizadas entre 20/04 e 21/06/2011.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Número de alguns vôos da TAM/Pantanal de Congonhas para Ribeirão.

DATA: 18/04
JJ 3270  CGH: 06:36 / RAO: 07:35
Airbus 320 / Capacidade: 174
Ocupação: 130 / 74%

DATA: 17/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 114 / 79%

GP/JJ 4720 CGH: 22:27 / RAO: 23:20
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 123 / 85%

DATA: 15/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 158* / 100%                 

DATA: 11/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 146 */ 100%

DATA: 08/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 129/ 89%

DATA: 08/04
JJ 3276  CGH: 19:24 / RAO: 20:22
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 129/ 89%
GP/JJ 4720 CGH: 22:27 / RAO: 23:20
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 116 / 80%

DATA: 28/03
JJ 3270  CGH: 06:36 / RAO: 07:35
Airbus 320 / Capacidade: 174
Ocupação: 173 / 99%

DATA: 27/03
GP/JJ 4720 CGH: 22:27 / RAO: 23:20
Airbus 319 / Capacidade: 144
Ocupação: 131 / 91%

* O número total de passageiros a bordo pode ser superior a capacidade quando há crianças de colo que viajam com os pais. 

Série mostra situação dos aeroportos nas cidades-sede da Copa do Mundo - Jornal da Globo.


Os repórteres Paulo Renato Soares, Júlio Aguiar e Lucas Louis viajaram durante três semanas para fazer um raio-x da infraestrutura dos terminais e mostrar os problemas que os passageiros enfrentam.


As passagens aéreas subiram em média 50% nos últimos 12 meses, consequência direta do fato de que as companhias aéreas não conseguem aumentar a oferta para atender ao crescimento da demanda.
A culpa é dos gargalos em infraestrutura dos aeroportos. Documentada pelos repórteres Paulo Renato Soares, Júlio Aguiar e Lucas Louis, que viajaram durante três semanas pelos terminais das cidades-sede da Copa de 2014. Veja na primeira reportagem da série: "Aeroportos: última chamada".
video